Ativistas reclamam do atendimento a soropositivos em Fortaleza

O Fórum de Movimento Social de luta contra a AIDS do Estado do Ceará que atualmente reúne trinta e oito instituições do interior e da capital que trabalham as diversas especificidades relacionadas à prevenção das DST/HIV/AIDS e a assistência de pessoas vivendo com HIV/AIDS. Em trabalho realizado com parcerias junto as instituições que a ele são filiadas e tendo em vista o aumento das demandas que hora retrata a assistência as pessoas vivendo com HIV/AIDS no município de Fortaleza nos embasamos nos dados obtidos pelas coordenações dos cinco SAE’s (Serviço de Assistência Especializado). Esses serviços apresentam a seguinte realidade:


 O Centro de Especialidades Médicas José de Alencar (CEMJA) que atualmente já atente 1.049 (Hum mil e quarenta e nove) pessoas; esta quantidade deixa de uma certa forma o serviço de assistência estrangulado pelo o aumento de usuários para serem atendidos pela mesma equipe. Também agora é reclamado pelos usuários da referida unidade concurso para médicos especialista em DST’s pois o profissional que prestava atendimento nesta área foi aposentado e o serviço encontra-se sem médico para atender essa demanda.

No Centro de Testagem e Aconselhamento Carlos Ribeiro (CTA) que atualmente concentra o atendimento do teste rápido para HIV foi constatado os seguintes problemas:

Primeiro, a atual falta de opção para encaminhamento do usuário testado com resultado positivo. No inicio desse trabalho era fácil os encaminhamentos pro NAME UNIFOR, e os demais SAE’s mais que dado ao aumento de casos identificados os SAE’s se recusam a receber alegando lotação. É sentido também por parte dos profissionais que hora prestam serviços na unidade de uma ampliação em recursos humanos, atualmente apenas duas pessoas, uma enfermeira e uma assistente social presta todo o serviço, recepcionar os usuários que chegam para solicitar o exame, realizar aconselhamento coletivo, o aconselhamento individual para os testados positivos e realização dos exames propriamente dito.

Lamentamos e sentimos o não funcionamento do SAE Carlos Ribeiro que em anos anteriores foi reformado com dinheiro do PAM - Plano de Ações e Metas, mais que não se tem conhecimento de porque não estar em funcionamento. O funcionamento deste equipamento resolveria o primeiro problema aqui citado como também desafogaria o CEMJA.
O SAE que funciona no Gonzaguinha do Conjunto Residencial Prefeito José Walter atende atualmente 68 pessoas sendo que esse atendimento é feito apenas um vez por semana aos sábados. A própria equipe enfatiza a necessidade de ampliação do serviço e argumenta já ter solicitado isso a direção da Coordenação Municipal de DST/AIDS de Fortaleza que ainda não deu retorno sobre essa possibilidade.

Detectou-se também a falta de medicação da atenção básica e doenças oportunistas que eventualmente dependendo do caso ou a situação das pessoas que vivem com HIV/AIDS (PVHA) tem internamento mas, não há leitos destinado especificamente para PVHA porque somente infecções leves são atendidas.

O SAE que Funciona no Gonzaguinha de Messejana atende atualmente 200 pessoas entre crianças e adultos; no momento de visita dos membros das redes RNP+/CE e RSP+Fortaleza constatou-se que esse serviço não dispõem de fornecimento de sextas básicas e estava faltando o vale transportes como também foi detectado a falta de medicamentos para doenças oportunistas e da atenção básica como por exemplo: Amitril, Captopril, dipirona e outros. Verificou-se também que esse SAE não disponibiliza leitos para internação de PVHA e não há nem um caso de co-infecção TB/HIV.

O SAE do Conjunto Ceará funciona no Hospital Nossa Senhora da Conceição, segundo relato da coordenação daquele serviço atualmente atende 80 pessoas; não tendo nenhum caso de co-infcção TB/HIV, não tem leitos especificamente para PVHA, não tem problemas no fornecimentos de Ante-retrovirais mas que a medicação fornecida pela atenção básica sempre falta alguns itens e as pessoas são orientadas a procurarem as unidades de saúde mais próximas de suas residências

Nenhum comentário:

Postar um comentário