Diretor do Unaids, Michel Sidibé, pede apoio do Papa para acabar com novas infecções do HIV em crianças

O diretor executivo do Programa Conjunto das Nações Unidas para o HIV e Aids (Unaids), Michel Sidibé, foi recebido nessa quarta-feira, 11 de abril, no Vaticano, pelo Papa Bento XVI, e pediu envolvimento pessoal do pontífice para acabar com novas infecções em crianças. “Um engajamento completo da Igreja seria de suma importância”, disse Sidibé. Segundo estimativas do Vaticano, cerca de 25% do total de programas de tratamento e cuidado contra a aids no mundo são desenvolvidos com apoio da Igreja Católica. Em 2010, mais de 5 mil hospitais e 9 mil orfanatos especializados no atendimento de pessoas com HIV e aids, por exemplo, eram financiados pela Igreja.

Com o objetivo de “zerar” as novas infecções do HIV em crianças até 2015, o Unaids e organizações parceiras lançaram durante a última Assembleia Geral das Nações Unidas um plano estratégico, cujo foco é apoiar os 22 países que detêm mais de 90% do total de casos da doença em crianças.

Sidibé se encontrou também com Michel Roy, Secretário Geral da Caritas Internacional, organização católica que desenvolve projetos sociais em aproximadamente 200 países; com o Presidente do Conselho Pontífice para Justiça e Paz, o cardeal ganense Peter Turkson; com o Sub-Secretário de Estado do Ministério das Relações Exteriores da Itália, Staffan de Mistura, entre outros.

O Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que os grupos religiosos proveem entre 30% e 70% do total de cuidados com saúde na África.

Das cerca de 34 milhões de pessoas que vivem com HIV e aids no mundo, 3.4 milhões têm menos de 15 anos e aproximadamente 17.1 milhões de crianças e adolescentes já perderam um dos seu pais ou ambos em decorrência da pandemia.


Nenhum comentário:

Postar um comentário